jusbrasil.com.br
18 de Agosto de 2022

STJ define que planos de saúde devem custear a importação de medicação à base de canabidiol

Por Mariane Reis

Em 2014 o Conselho Federal de Medicina - CFM, publicou a Resolução nº 2113, que regulamenta o uso compassivo para tratamento de epilepsia com medicamentos à base de canabidiol. No entanto, por ser um produto advindo da cannabis, que não pode ser plantada nem comercializada no Brasil, o canabidiol deve ser importado. Por isso, em 2020 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa, publicou a Resolução de Diretoria Colegiada nº 335, definindo os critérios de importação de produtos derivados da cannabis. Essa foi uma vitória para pacientes e familiares que há anos lutam pelo direito à medicação.

Apenas um medicamento à base de cannabis está à venda no Brasil, o chamado Canabidiol da indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi, cujo valor ultrapassa R$2.000,00. A medicação também não está disponível no SUS, principalmente em razão do alto custo. Em 2018 o Superior Tribunal de Justiça - STJ autorizou a importação direta de produtos derivados da cannabis. Sendo assim, sem intermediações, atualmente a Anvisa autoriza a importação de produtos derivados da cannabis, o que pode diminuir bem os custos para o paciente. Mesmo assim, tendo em vista a alta do dólar e os impostos de importação, são poucas as famílias que conseguem arcar com os custos elevados do produto.

Planos de saúde

“As operadoras de planos de saúde não estão obrigadas a fornecer medicamento não registrado pela ANVISA”. É o que diz o Tema 990 do STJ. Por isso, mesmo com a regulamentação do uso de medicamentos com canabidiol, os planos de saúde mantêm a recusa em arcar com a medicação, pois as medicações com canabidiol não têm registro na Anvisa. No entanto, no final de 2021 o STJ entendeu que, uma vez que a Anvisa autoriza o uso do medicamento, ainda que sem registro, a negativa pode violar os direitos do paciente. De acordo com a Ministra Nancy Andrighi:

“Essa autorização da Anvisa para a importação excepcional do medicamento para uso próprio sob prescrição médica, como ocorre no particular, é medida que, embora não substitua o devido registro, evidencia a segurança sanitária do fármaco, porquanto pressupõe a análise da agência reguladora quanto à sua segurança e eficácia — impedindo, inclusive, o enquadramento da conduta nas hipóteses do artigo 10, inciso IV, da Lei 6.437/1977 e dos artigos 12 e 66 da Lei 6.360/1976”.


Se há recusa do seu plano de saúde em arcar com os custos de importação de produto derivado da cannabis, é possível reverter a situação! Procure orientação para tirar suas dúvidas e ter seu direito à saúde garantido. A Valente Reis Pessali Sociedade de Advogados pode te ajudar, entre em contato.

Informações relacionadas

Gabriel Ribeiro Advogado, Advogado
Artigoshá 11 meses

Como conseguir Canabidiol na justiça?

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Agravo de Instrumento: AI XXXXX-11.2020.8.26.0000 SP XXXXX-11.2020.8.26.0000

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI XXXXX-83.2020.8.19.0000

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX RJ 2021/XXXXX-7

Isabela Tarbine, Advogado
Artigosano passado

Plano de saúde deve fornecer medicamentos à base de CANABIDIOL?

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)